Bianca de Oliveira #4

14 dezembro 2014

Foto por Bianca de Oliveira

"HĂĄ um tempo quis ser de tudo, experimentei ser de tudo, mas nunca consegui ser em plenitude o que eu era naquele momento, por isso ia vagando de personalidade em personalidade o tempo todo. Era um fantasma sem rumo que percorre as ruas confusas do autoconhecimento. Olhar ao redor e nĂŁo ter um rĂłtulo, por mais estranho que possa soar, era desesperador. Como eu precisava SER. Mas depois de um texto que li, mudei minhas perspectivas. O texto falava que "estamos, nĂŁo somos". Depois dessa frase tudo fez mais sentido. Eu soube que aquela busca desenfreada por quem eu era nĂŁo ia resultar em nada. Que eu podia continuar tentando, mas tudo que eu experimentasse por desespero ia acarretar em mais vazio, fazendo com que me sentisse mais perdida ainda. Porque dentro de nĂłs hĂĄ infinitas formas de ser. O que vem Ă  tona depende do momento. Querer colocar todo esse ser em um quadrado, em um Ășnico formato imutĂĄvel Ă© tolice. Porque estar Ă© viver em constante metamorfose; Ă© o estar que nos proporciona viver. Ser nada mais Ă© do que a consequĂȘncia de estarmos. Eu estava aqui hoje e nesse dia fui muitas em uma sĂł".

Nenhum comentĂĄrio

Postar um comentĂĄrio